Um perfume floral by Issey Miyake


by Van em , ,

4 comentários

Tô tão jasminzêra, povo! Cêis nem imaginam! E o jasmim da vez atende pelo imenso nome A Scent by Issey Miyake Eau de Parfum Florale (Issey Miyake). Pra efeito facilitador da vida desta que vos escreve, chamá-lo-emos de A Scent Florale, beleza?

Singelíssimo and confortabilíssimo, A Scent Florale abre com jasmim, segue com jacinto, ylang ylang, gálbano, rosa e peônia, e fecha com patchouli, âmbar e musgo.

A saída é aquela rajada de jasmim característico, amado ou odiado, impossível de não ser notado (adoro rimar, me deixa!). É a flor e ponto. Mas, óh, nada ão, viu? Jasmim desmaiado dentro d´água, diria eu cá comigo. Mesmo assim, quem não curte a florzinha deve passar longe. Minutos depois, dá pra sentir o caule das flores, que vão surgindo abstratas, trabalhadas na delicadeza. E então temos ele, o grande, o sublime, o indefectível cheiro-de-banho (assim mesmo, com hífen). A Scent Florale é a epítome do banho tomado. 

Fresquinho e levinho (até demais, dirão alguns), ele tem cheiro de primavera florida (ou xixi de gato, caso você seja da turma que odeia jasmim e tem criatividade de sobra). Conheci o belo aí num dia de enxaqueca (sou bandida, eu sei, me deixa!) e, putz, gamei. A dor até passou. Amor, gente, amor.

A verdade é que perfumes arigatôs me agradam sobremaneira. Adoro quando os japoneses botam as mãos na perfumaria. Grande parte das vezes os cheiros ficam belos, intimistas e contemplativos. Sou fã. E sei que sou rara. Maioria do mundo não segue a mesma vibe. Maioria acha tudo isso bem água de chuchu. Acontece que eu curto uma aguazinha vegetal às vezes. O que pra muita gente é uma chatice, pra mim é ouro!

Não tem dia em que a gente só quer um gole de paz? Taí! Eu não sei como, mas esse perfume me toca de alguma forma. 

Então fica combinado: se o seu negócio é perfume aumentativo, esquece o A Scent Florale, ok?

A quem interessar possa: A Scent Florale é um flanker já descontinuado do A Scent by Issey Miyake (que eu não conheço, por sinal).

Fascinação Sensual


by Van em , ,

8 comentários


Bora falar do Fascinação Sensual? Não, gente, não é Avão. É Chanel! É Allure Sensuelle! É perfume todo ão, meu povo! Fortão, chiquetosão, gostosão e carão.

Oriental floral, nosso amigo aí vem com mandarina, pimenta rosa e bergamota na saída, íris, pêssego, jasmim, rosa turca, rosa búlgara e vetiver no coração, e láudano, especiarias, sândalo, baunilha, âmbar, patchouli e incenso na base.

Deu pra sacar o poder disso, néam? Taí um perfume que você usa e ele usa você, saca? Super sensuelle, esse Allure é lindamente provocativo, divinamente condimentado e confortavelmente quente. Por essas e outras, ele berra nas entrelinhas: "me borrife em dias frios, colega!".

Do tipo que jamais passa sem ser notado, Allure Sensuelle deixa um rastro envolvente, marcante e requintado no ar. É um perfume atemporal, forte (ok, já falei isso), cremoso, elegantíssimo e quente (eu também já falei isso, mas a idade me deixou repetitiva, sorry).

Notas cítricas, amadeiradas, florais, condimentadas e doces dançam sobre a pele, resultando numa fragrância tudo ao mesmo agora, em que se destacam as flores e o doce da baunilha adultíssima. Ah, e o incenso (todo lindo) também marca presença. 

A fixação do Allure Sensuelle é excelente. Ele dura fácil umas 10 horas na minha pele sem desandar. Alluriou geral!

Tá pessoa sofisticada and segura de si hoje? Tá frio? Se joga no Allure Sensuelle, bebê!

Dolce sem açúcar e sem afeto


by Van em , ,

9 comentários


Dolce (Dolce & Gabbana), ao contrário do que o nome sugere, não é doce. É floral com um pezinho na água e outro na grama. Singelo, suave e fresco, foi feito tendo em mente o público que não gosta de usar perfume. Assim ele me parece.

É até engraçado ler o Domenico Dolce no site oficial dizendo que a idéia foi capturar a imagem da Sicília e botar dentro do frasco. Olha, não sei de qual Sicília ele tá falando, mas não é a do Sicily. Ah, não é! Também não é a Sicília da minha família. Enfim, dou um cannoli pra quem me trouxer a Sicília do Dolce!

Pois bem, e a tampa do Dolce, minha gente? O que é aquilo? De onde ela vem? Do que ela se alimenta? Como ela se reproduz? Não perca! Esta semana, no Globo Repórter! De plástico, ela me soa bem kitsch (pra não dizer duvidosa). E não se engane: ao vivo ela é bem pior (chega a ser vagabunda no sentido laico do termo). E pensar que era pra ela reverenciar docinho de marzipã, uma das maiores delícias sicilianas (se não a maior!). Deu certo não, Dolce. Deu certo não.

E o que vem no perfume? No topo tem neroli e flor de papaia. O coração traz lírio d´água, narciso e amaryllis, todos brancos. Na base temos almíscar e madeira branca.

Dolce começa com aquele toquinho verde da flor da laranjeira, coisa que só o neroli faz por você. E então a gente topa com uma florzinha aquática indefinida. E termina dando de cara num montão de almíscar preso num pedaço de madeira clarinha. O problema é que o almíscar é genérico e a madeira é MDF, saca?

E no fim das contas o que vem dentro do frasco é aquela ladainha primavera-verão de sempre, que a gente já tá cansado de conhecer de outros carnavais. 

Leve and calminho, Dolce é coisa casual, segura, diurna, limpinha, feita pra não encher o saco de ninguém. E só isso! Faltou empolgação, sabe? Gostosinho, mas nada memorável. Tudo bem que nem tudo deve ser memorável, né? Mas, sei lá, eu esperava mais. Eu queria mais. Eu ansiava por mais sinceridade, ainda mais diante do preço que pedem por ele.

Sabe aquele tipo de perfume que você pode dar de presente pras gentes de todas as idades (se quiser ostentar, claro)? É esse! Garanto que não tem erro. Aliás, se quiserem me dar, aceito de bom grado. Rá! Ele entra na minha categoria "usaria se ganhasse".

No mais, o filme da campanha foi dirigido pelo Giuseppe Tornatore, aquele do Cinema Paradiso (o filme preferido da minha mãe, que chora só de ouvir a música do Ennio Morricone, o rei do western spaghetti, que acabou indo trampar com o Quentin Tarantino no Bastardos Inglórios e me prova que o mundo dá voltas engraçadas). Só acho que com o cachê que pagaram pro Giuseppe podiam ter dado uma graninha mais gorda pro perfumista fazer coisa melhor. Neám?

A essência do Narciso


by Van em ,

5 comentários


Tem jeito não, sou uma talcólatra incorrigível. Onde tiver um talco lá eu estarei! E eu tô todinha no Essence (Narciso Rodriguez). Essence e aquele frasco incrível, né? Ao vivo ele é ainda mais belo. Às vezes eu cato o dito cujo só pra ficar admirando. Sou dessas. Não me julgue.

Pra começar, essa coisa linda veio do Alberto Morillas, o rei do talco-conforto (são dele também meus amados BLV Notte e Flower By Kenzo Oriental, entre outras preciosidades).

Mas, olha, uma coisa eu garanto: o cheiro do Essence consegue ser ainda melhor do que o frasco. Pois é, consegue! Perfume floral, ele vem minimalista, macio e lindo, com rosa, íris e âmbar. Pra mim tá ótimo!

Não tem almíscar na lista oficial, mas eu tenho certeza de que ele dá o tom da coisa por aqui. De onde mais sairia aquele aroma aconchegante feito amaciante de roupa? Junto com a íris (minha flor preferida), ele faz um dos talquinhos mais fofos que eu já senti. A rosa (minha segunda flor preferida) é bem limpinha, usada a conta-gotas na medida pra acender a luz e trazer um pouco de cor. O âmbar é morninho, mas tão leve que a gente se permite usar e abusar no calor. Na real, esse âmbar tá aqui mais pra arredondar do que pra aquecer, sabe?   

No mais, a graça do Essence tá na discrição. Ele é bem rente à pele e super delicado. Agora pensa num talquinho feito pra aturar temperaturas elevadíssimas sem incomodar a menor das joaninhas! Bingo! Ouso dizer que esse talco é o que melhor cabe nos 40 graus que tem feito aqui na roça.

Pra quem curte Infusion D´Iris (Prada), Eau de Charlotte (Annick Goutal), BLV Notte (Bulgari), Inspiration (Lacoste), Ivoire (Balmain) e Noa (Cacharel), uns mais atalcados, outros menos (ou nenhum pouco), mas todos limpos, todos lindos, todos tão eu.

Amarelo


by Van em , ,

11 comentários

E aí que o povo da Versace achou que seria uma boa idéia fazer a versão amarelinha do Bright Crystal e então jogou no mercado o Yellow Diamond. E o que seria do amarelo se todos gostassem do rosa, néam? Por sorte, do amarelo eu gostei. Mas senta que lá vem historinha.

Yellow Diamond vem com neroli, bergamota, limão amalfitano e pêra na saída, flor de laranjeira africana, vitória-régia, frésia e mimosa no coração, e almíscar, madeira e âmbar na base.

Isso significa que temos nele um floral frutado bem primavera barra verão, bem fresquinho e gostosinho. Atentem para o "inho", ok? Esse perfume é bem diminutivo mesmo. Delicinha e dispensavelzinho - pelo menos pra quem tem um parafuso a menos e perfumes demais (eu! eu! eu!). O que eu quero dizer com isso é que ele não é de tirar o fôlego de ninguém, sabe? É bem feitinho, mas não é inovador nem nada disso. Tudo bem que um perfume não precisa ser sempre espetacular, mas então que custe menos se ele não for a atração da festa, oras!

Com cheirinho casual and diurno de florzinha amarela com frutas frescas genéricas, ele segue a vibe do Éclat d'Arpège (Lanvin) e do Light Clouds (Moschino). Limpinho, alegrinho e feijãozinho com arroz. Não me pergunte por quê, mas eu achei uma coisa assim meio Coldplay. (#prontofalei)

E eu falei sério quando disse que ele é a versão amarela do Bright Crystal, viu? É bem por aí. Só que o Yellow Diamond é um pouquinho mais "aparecido" e interessante. Se custasse menos, eu catava.

O Sheer da questão


by Vanessíssima em , ,

10 comentários

De volta aos trabalhos vos digo: Brit Sheer (Burberry) só não foi a melhor compra de 2014 porque paguei caro. Aliás, eita perfume pra nunca entrar em promoção, viu? Tudo bem que o zóio maior que o estômago me fez levar pra casa o frascão de 100 ml, mas, putz, sei lá, podia custar menos diante do que ele se propõe, né?

A idéia aqui é frescor, gente! Bastante frescor. Saca só as notas: lichia doce, yuzu, folhas de abacaxi e tangerina na saída; peônia rosa, flor de pêssego e nashi no coração; almíscar branco e madeira clara na base.

Pra quem não sabe, yuzu é uma frutinha cítrica asiática que parece toranja (ou grapefruit, se você for chique), e nashi é um tipo de pêra lá daquelas bandas também. Captou o frescor?

Brit Sheer é absurdamente refrescante sem ser cítrico (ele é frutal floral). A misturinha das flores delicadas com as frutas de gosto de água dá um resultado transparente encantador. Existe uma doçura bem discreta, que fica lá no degrau de baixo. O almíscar e a madeira formam uma caminha macia arrumada com lençol branquinho.

É tudo tão equilibrado e suave sem ser cítrico ou aquático, que dá vontade de pegar no colo. Com ele não tem erro. 

Achei um perfuminho perfeito pro verão e pra outros dias tais de temperaturas elevadas, coisa mega comum aqui na roça. Isso quer dizer que ele tá no meu ranking dos mais borrifados.

Sabe o tipo de perfume que não é nenhuma obra-prima, mas que você usa muito, muito meeeeesmo, sem enjoar? Eis o Brit Sheer! Taí porque ele tinha tudo pra ser a melhor aquisição de 2014. Ou melhor, quase tudo. Bora baixar esse preço aí, pô!

PS: Não, ele não é a versão light do Brit (falado rapidamente aqui). Não se engane. São perfumes coooooooompletamente diferentes.

Milagre


by Vanessíssima em , ,

8 comentários

milagre sm 1. Feito ou ocorrência extraordinária, não explicável pelas leis da natureza. 2. Fig. Acontecimento admirável, espantoso.

Tem gente que tropeça, disfarça e sai andando como se nada tivesse acontecido. Eu tropeço e caio na risada assustando quem nem tinha notado o meu tropeço. Faço isso na rua, no blog e na vida. Nunca escondi de ninguém minha birra com os perfumes da Lancôme. E nunca contei aqui que torcia o nariz pro Miracle. Pois bem, torcia. Conheci o dito numa época em que eu não ligava muito pra perfume. E ali eu vi cheiro de nada com coisa nenhuma e uma pontadinha de irritância. Resumindo: odiei o dito cujo.

E então o tempo passou, eu passei do tempo (rá!) e resolvi recafungar o Mirrácle (a pronúncia dele é essa, gente - a coisa é francesa). Aí eu saquei a delicadeza daquele cheiro. E percebi que a irritância de outrora era a mais bela lichia que eu já havia encontrado na perfumaria. Milagre define (sem trocadilhos).

Pois bem, Miracle é um floral fresco que tem lichia, frésia, magnólia, jasmim, gengibre, pimenta, âmbar e almíscar. Além disso, Miracle tem felicidade, frescor and borbulhância que a gente sente de longe (agora tenta falar borbulhância em voz alta. rá!). 

A lichia dá aquele toque de fruta sabor água, sabe qual? As flores orvalhadas trazem um tico bem tico de doçura cintilante, o gengibre e a pimenta dão uma leve temperada na coisa toda (em mim, eles aparecem bem pequenininhos, do tamanho ideal) e a base é bem calminha and confortável e vai ficando cada vez mais linda com o passar das horas. Engraçado que algumas vezes eu sinto uma brisa atalcadinha bem suave no coração (no do perfume e no meu, olha que lindo!). 

Enfim, tudo sempre bem equilibrado tal qual perfume de mãe, sabe? De mãe solar, que não pára quieta um segundo, que adora tomar vários banhos por dia, que tá sempre sorrindo e se preocupando com o bem-estar alheio. 

Quem curte Chance Eau Tendre (Chanel), Brit Sheer (Burberry) e Omnia Crystalline (Bvlgari) tem tudo pra gostar do Miracle, já que a vibe é a mesma. Só acho conveniente prová-lo antes de abrir a carteira. Tem gente que não vai gostar da lichia, alguém vai torcer o nariz pra pimenta e uma galera vai estranhar o gengibre. Eu achei tudo lindo, cintilante, de muito bom gosto, super fresco e bem summer. E ao contrário dos colegas da categoria, ele fixa absurdamente bem. 

Só sei que Miracle é tão alegre, mas tão alegre, que se você usar no dia errado periga ele te dar um sorridente "bom dia!" e você esbravejar: "bom dia por quê?". Sorry pela vibe comédia stand-up de quinta. Não foi proposital. 

Só sei que catei um Mirrácle pra mim naquela que me foi a melhor compra do ano. E foi assim que um perfume que eu desprezava foi parar no panteão dos meus preferidos. Milagre! De novo.

Love sem Glamour


by Vanessíssima em , ,

4 comentários

Laranja e pimenta tá bão pra você? Se estiver, se joga no Love And Glamour (JLo). Só não espera o glamour, tá?

Tangerina, goiaba e nectarina estão no topo. Vitória-régia, orquídea e flor de laranjeira formam o coração. Na base, sândalo, almíscar e âmbar. 

Notaram que não tem laranja e pimenta na composição, né? Mas eu sinto! E com força! Laranja e pimenta rebolativas tal qual JLo. A culpa é da tangerina, da goiaba e do sândalo que, juntos, me enganam direitinho e me fazem ver coisa onde não tem.

Não sei por qual motivo, razão ou circunstância Jennifer Lopez se apega às frutas e ao cheiro de limpeza/sabonete/amaciante em 99% do que leva o nome dela. Aqui não é diferente. Love And Glamour é frutalzíssimo com cheiro de roupa limpa que saiu da máquina de lavar. Quedê o glamour disso, meu povo? É, não tem. Mas temos aí um perfuminho diurno, educado e fácil de agradar. [bocejo]

E a Jenny do quarteirão, que costumava ter pouco e agora tem um monte, que não importa pra onde ela vá, ela sabe de onde ela veio, bom, ela fica parada enquanto a grana rola.*

* citação (adaptada por minha conta, risco e licença poética) da música Jenny from the block, by Jennifer Lopez

Sicilyana


by Vanessíssima em , ,

8 comentários

Sendo tataraneta, bisneta, neta, sobrinha, prima e filha de sicilianas, eu tenho que dizer: Dolce & Gabbana acertou em cheio com o Sicily. Nenhum perfume traduz melhor essas mulheres intensas, dramáticas e bem-humoradas, que têm um pezinho na jaca e um sorriso no rosto. Ok, eu também tô falando de mim. Abafa. 

Mas o fato é que eu cresci entre pessoas made in Sicily, com direito a almoço dominical cheio de gente e de comida. E essa gente não tem vergonha de chorar ouvindo música na frente de todo mundo, não se cala diante dos problemas de alguém da família, não se contenta em falar só com a boca, não se resume a um aperto de mão, não se satisfaz em oferecer apenas um prato de macarronada, não se contém diante de uma garrafa de vinho e não perde a chance de gargalhar. 

Essa gente canta junto e chora aqui no Brasil com a música da polenta (quando si pianta la bella polenta, la bella polenta si pianta così, si pianta così, si pianta così...), tem sempre algum conselho ou puxão de orelha pra dar pro parente, fala com a boca e com as mãos, distribui abraços apertados e panelas de macarrão, acredita que o álcool tempera a vida, e ri de si mesma e para si mesma. Por essas e outras, tenho cá comigo que sicilianos não são pessoas; são experiências sensoriais.

Pois bem, Sicília é a terra da minha família, do vulcão Etna, do dialeto engraçado, da bruxa que distribui presentes depois do Natal, dos banquetes familiares com finalidades logísticas (afinal, neles são discutidos os sucessos e os insucessos da italianada), do mar azulzinho, do Don Vito Corleone e do Dolce do Dolce & Gabbana (sim, Domenico Dolce nasceu lá).

Sicily é a terra da madressilva, da flor de laranjeira, da banana, da bergamota, da noz-moscada, do jasmim, do hibisco, do jacinto, da rosa, do sândalo, do almíscar e do heliotrópio.

Cremoso, ensolarado, marcante e voluptuoso, Sicily vai do drama à felicidade (ambos sicilianamente exagerados) num segundo. Assim como os sicilianos, ele se esforça lindamente pra te conquistar. Ligeiramente doce, com notas florais potentes, Sicily traz boas doses de deliciosidade sob a classificação floral oriental.

E é aqui que eu paro de falar sobre esse perfume. A coisa toda degringolou pra uma parcialidade absurda de minha parte. Sorry pela resenha não-resenha. Aliás, eu não faço resenhas de perfumes; eu escrevo textos sobre perfumes (sim, são coisas distintas, me deixa!). 

E fica aqui o meu convite: se você achar um Sicily por aí (infelizmente ele foi descontinuado), se joga na cafungada! Ah, e se você topar com algum siciliano, nunca pergunte sobre os calabreses (reparou que no mapa a Calábria é a ponta do pé da bota que parece que tá dando um chute na Sicília?).

Arrivederci!

O mais bobo e o mais esperto do mundo


by Vanessíssima em ,

7 comentários


Karl Lagerfeld For Her (Karl Lagerfeld) é o perfume mais bobo do mundo. Karl Lagerfeld é o cara mais esperto do mundo. Vai dizer que lançar um perfuminho genérico and facílimo de agradar não é uma boa sacada, hein? For Her não é ruim, mas eu agradeceria se fosse, ao menos assim ele se destacaria na multidão. 

Floral frutal (mas era pra ser floral verde, segundo a marca), ele vem com limão, pêssego, rosa, magnólia, frangipani, almíscar, âmbar e madeiras. Sim, você já viu isso antes, especialmente se você tem paixão por cheiros e os possui de montão em casa. 

Não acho errado oferecer mais do mesmo não, mas fico bege com a quantidade de marca ofertando apenas e tão somente isso em termos de novidade, sabe? Ok, zero mimimi daqui pra frente!

Tranqüilo, For Her não proporciona fortes emoções (exceto na hora de passar no caixa. rá!). É seguro, correto, diurno, limpinho e comum. Bom, mas bobo.

Ele é quase linear em mim, mas consigo pescar algumas sutilezas aqui e ali, com toques ora frutais, ora docinhos, ora almiscarados. O pêssego é bem perceptível. As rosas também. For Her abre frutalmente borbulhante e fresco, segue floralmente docinho e termina rapidinho numa base almiscarada e bastante vaga. Você já conhece tantos outros perfumes assim, né?

Juro que senti uma brisa sugestiva de La Vie Est Belle (Lancôme) aí. L´Eau Vie Est Belle? De nada, Lancôme! Vi ali também um pouquinho de Tommy Girl (Tommy Hilfiger), mais um tanto de Versace Woman (Versace), um quase nada de J´adore (Dior), um outro cadinho de Chance (Chanel) e por aí vai. Veja bem, esses perfumes não se parecem entre si, mas Karl Lagerfeld For Her se parece com todos eles.

Karl-pessoa tem foco, isso é fato. Ele mirou no mercado e acertou. Mesmo redundante e preguiçoso (e justamente por isso), Karl-perfume vai vender feito água, principalmente cá nas terras tropicais. Eu, por exemplo, usaria se ganhasse. Rá!

Olha, forçando a amizade, eu até consigo entender o desespero do Karl Lagerfeld, um dos poucos seres da moda que não conseguiram manter nem ao menos um único perfume no mercado até hoje. A história dele com a perfumaria é antiga: a primeira fragrância da “grife” data de 1978, e depois dela vieram mais 12, mas nenhuma sobreviveu (claro, excluindo os recém-lançados For Him e For Her, este último objeto do texto que você está lendo agora). 

Pensa comigo: foram 13 perfumes e 13 fracassos, certo? Por que não tentar de novo mirando numa fórmula garantida num momento em que o mercado da moda se vê praticamente sustentado pela perfumaria? Sim, colega, pode parecer bizarro, mas Chanel, Dior, Yves Saint Laurent, Burberry, Calvin Klein, Armani & cia. vendem mais perfumes do que roupas. 

E se prepara, porque o contrato do Karl Lagerfeld com a poderosa Inter Parfums estará em vigor durante os próximos 20 anos, tá? Pra que não sabe, a Inter Parfums cria, fabrica e distribui fragrâncias mediante acordo de licença exclusiva sob as marcas Balmain, Boucheron, Jimmy Choo, Lanvin, Montblanc, Paul Smith e Van Cleef & Arpels.

Eau de Gominha


by Vanessíssima em ,

14 comentários

Borrifar a colônia Eau Aimable (Le Couvent des Minimes) é cair de cara num pote de gominhas Dori. Mas só das laranjinhas! Esquece as outras cores, tá? De sorte que o lance é meter a fuça só na gominha alaranjada. 

A coisa toda é bem orange and sweet, não nessa ordem. E fixa feito gominha no dente, o que é incomum no planeta das colônias. Ah, e assim como a balinha, o residual da fragrância é açúcar puro. 

Além do preço amigo, bergamota, rosa-mosqueta, flor de laranjeira, capuchinha, mandarina e petitgrain é o temos oficialmente pra hoje em Eau Aimable. Já li por aí que também tem jasmim, baunilha, almíscar e madeiras brancas. Sinceramente? Sei não. Talvez a baunilha. 

Fora que achei Eau Aimable bastante enjoativa, sabe? Doce demais, laranja demais (yes, eu tenho problema com a dita e seus afins na perfumaria). Mas óh, nada de citricidade aqui. Nada mesmo! Citricidade zero! O lance tá mais pros mega açucarados Victoria´s Secret.

E nada disso vai ser ruim se você é da turma que sai por aí usando camiseta silkada de “I love gominha laranja” com um coraçãozinho no lugar do “love”. Eu amo gominha laranja aromatizada artificialmente e tudo, mas ainda tô longe de vestir a camisa (literalmente). Sou mais é do fã-clube da paçoquinha. Tô na diretoria, aliás! Ok, ninguém perguntou. 

Mesa-redonda: E se o mundo virasse do avesso?


by Vanessíssima em , ,

8 comentários

Uma das coisas mais legais de se ter um blog é poder compartilhar minhas pirações. Melhor ainda quando eu sou convidada a fazer isso. Rá! De modo que chegou a minha vez de sacar um tema do bolso pra mesa-redonda da vez. Yes, este mês quem botou a mesa fui eu! 

Pedi pros colegas botarem na roda seus "perfumes Monty Python", aqueles que melhoram o humor, saca? E pra fazer diferente, em vez de listar uma meia dúzia de frascos já existentes, resolvi criar o perfume mais bem humorado do mundo! Pegando carona no non-sense dos meus comediantes preferidos, bolei cá comigo uma fragrância absurda que me deixaria rindo de orelha à orelha, basicamente o meu perfume dos sonhos. Rá!

Pois bem, se eu pudesse criar meu perfume Monty Python (lê-se: meu perfume perfeito), como ele seria? Assim, óh:

Ele seria tão elegante quanto o J´adore (Dior)
Teria as rosas do La Fille de Berlin (Serge Lutens)
O figo do Un Jardin en Méditerranée (Hermès)
A baunilha do Vanille Bourbon (Laurence Dumont)
O talco e a íris do Eau de Shalimar (Guerlain)
O couro do Kelly Calèche (Hermès)
O incenso do Avignon (Comme des Garçons)
O chocolate do Chocolovers (Aquolina)
A menta do Herba Fresca (Guerlain)
A gardênia do Marc Jacobs Women (Marc Jacobs)
O benjoim do Couture! (Moschino)
O cheiro de chá do Love, Chloé (Chloé)
O almíscar do Noa (Cacharel)
As madeiras do Lacoste Pour Femme (Lacoste)
A sujeira do Jicky (Guerlain)
A quentura do Gloria (Cacharel)
O cheiro vivo do Chloé Rose (Chloé)
A delicadeza do Blv Notte (Bvlgari)
A aura de hidratante do Summer by Kenzo (Kenzo)
O conforto do Eau de Glow (JLo)
A complexidade do Nu (YSL)
A cremosidade do Vanille Gourmande (Laura Mercier)
O frescor do Pleasures (Estée Lauder)
A versatilidade do Forever and Ever (Dior)
A fixação do Cinéma (YSL)
A evolução do Joop! Le Bain (Joop)
A válvula spray do Pure Poison (Dior)
O frasco do Liberté (Cacharel)
E o preço do Ma Chérie (O Boticário)

Já falei de todos esses perfumes aqui no blog. Joga lá na barrinha de busca pra você ver!

E, bão, a outra coisa mais legal de se ter um blog é ter gente pra pirar junto comigo. Estão aí BethJu, Diana, Priscila, Cassiano e Cris Nobre que não me deixam mentir. Todos eles também viram o sinal no céu e atenderam ao meu bat-chamado. Bora espiar!

Agora, vem cá! E aí, quais perfumes te deixam de bom humor? 

Baunilha verde


by Vanessíssima em , ,

7 comentários

Pera lá que O Incrível Hulk ainda não lançou nenhum perfume não, viu? Se bem que sei lá se isso ia vender, néam? Talvez se o Homem de Ferro lançasse... Bão, voltando pra Terra, me deixa contar um pouco sobre a baunilha com toques verdinhos mais linda e democrática que tem no mundo: 5:40 PM in Madagascar (Kenzo).

Pensa numa persona apaixonada por baunilha. Pensou em mim, certo? Agora pensa em alguém que é fã do jeito Kenzo de se perfumar. Deu eu de novo, né? Então vamos por aí. E se você se identificou comigo, pega na minha mão e vem!

Bora começar pelo começo. Cinco e quarenta - ou vinte pras seis (você decide) - abre com lótus, segue com frésia e cedro, e finaliza com baunilha. Isso funciona na teoria. Na prática a coisa muda um pouco. Já explico. 

Super compartilhável, sincero e interessantíssimo em todas as estações do ano (yes, todas! mas convém dedo leve no verão de meu deus), 5:40 PM in Madagascar começa com cheirinho de mato molhado e evolui pra uma baunilha amadeirada dos deuses! Simples assim.

Cuidadosamente construído, esse perfume me é, na essência, baunilha com cheiro de grama molhada. Captou? Não, né? Só cafungando pra entender. Ele é único, ímpar! Até a baunilha dele é diferentona. Não é melada, infantilóide ou séguice-sem-ser-vulgar. É uma baunilhinha delicada, na medida, morninha, de doce não muito doce, sabe como? E gruda! Sai nem com reza brava.

Top 5: Perfumes roubados


by Vanessíssima em , ,

15 comentários


Veja bem, eu podia tá matando, eu podia tá roubando, mas não, eu tô sendo roubada. Como eu sou dessas que dão risada da própria desgraça, resolvi fazer o top faivi dos meus perfumes que foram eufemisticamente extraviados. Comprei todos eles em lojas virtuais gringas e eles jamais caíram no meu colo. A certeza que eu tenho é que três deles sumiram aqui no Bananão (os outros dois estavam viajando sem rastreio, portanto só as fadas sabem onde eles desapareceram).

Antes, contudo, acho de bom tom afirmar que, gente, eu cato cheiro fora há uns 8 anos, cato muito, e até hoje “apenas” esses me foram surrupiados, ok? Por essas e outras, ainda considero bom negócio sacar o cartão de crédito internacional, desde que não se tenha pressa e seja feita na ponta do lápis a continha das taxas. Pois bem, aos surrupiados!

1. Shalimar Ode a La Vanille (Guerlain)
A pessoa aqui que vos escreve é suspeita pra falar sobre esse lindo porque Shalimar é o nome dela. Mais suspeita ainda porque ela esperou uma vida pra Guerlain relançar essa edição limitada toda trabalhada na baunilha e, bingo, o perfume nunca chegou. Tô aqui acendendo vela até hoje porque consegui arrematar outro. Nem encanei quando esse segundo frasco caiu em minhas mãos em pleno calor de 40 graus. Borrifei gotículas assim mesmo e me joguei na vida! Resenha em breve.
* Recado ao gatuno: Que você tenha tomado banho de Ode a La Vanille num dia de sensação térmica beirando os 50 graus e pegado ônibus lotado! Sem mais. 

2. L´Instant Magic (Guerlain)
Floral amadeirado almiscarado que nunca cafunguei, mas sempre amei. Ainda não recomprei, mas vou. O tal vem com bergamota, rosa, frésia, almíscar, madeira e amêndoa. Dizem que ele é atalcadinho, ou seja, meu número! E é por isso ele foi parar no segundo lugar da minha lista. #aloka
* Recado ao gatuno: Tomara que ele não tenha fixado nem dois minutos na sua pele. Sem mais.

3. Pleasures (Estée Lauder)
Floral branco com toque verdinho. Depois do luto, arrematei outro e me borrifo com louvor. Falei dele aqui.
* Recado ao gatuno: Torcendo pra pimenta ter ficado bem proeminente em você, culminando numa crise braba de rinite. Sem mais.

4. Green Tea (Elizabeth Arden)
Cítrico aromático super very fresh. Bom, bonito e barato. Comprei outro aqui no Bananão mesmo. Falei dele aqui.
* Recado ao gatuno: Faço votos de que a citricidade dele tenha ficado azedíssima na sua pele. Sem mais. 

5. Love in White (Creed)
Floral fresco and mais um que não recomprei até hoje (e talvez nem recompre, por isso ele foi parar no quinto lugar da lista). Outro da turma do "“nunca cafunguei, sempre te amei"”. As notas do dito cujo são as seguintes: raspas de laranja, casca de arroz, íris, jasmim branco, narciso, magnólia, rosa, baunilha, ambergris e sândalo. 
* Recado ao gatuno: Que você tenha morrido engasgado com a casca de arroz! Sem mais.

Adendo maroto:

O fato de ter dois Guerlain na lista comprova duas coisas: 1. por ser a minha casa predileta, é a marca que eu mais compro, logo, estatisticamente falando, é a que mais me some; 2. esses malditos ladrões têm bom gosto.

Ariano, verbena, menta e João


by Vanessíssima em , ,

9 comentários

Ariano Suassuna tem, entre muitas, uma frase maravilha. Disse ele certa vez no meio de uma palestra: "Eu não mereço a menor confiança em citações. Quando a frase não me serve, eu modifico."

Pois bem, e eu tomo o dito dele pra mim e digo: Eu não mereço a menor confiança em relação aos textos deste blog. Quando uma família olfativa passa a me servir, eu me modifico.

De modo que ei, você aí, que sempre soube da minha aversão por cítricos, toma a minha incoerência! Quer que eu embrulhe?

Gente, sério: nunca jamais em tempo algum vale a pena ir na minha. O que tem aqui são impressões imprecisas de uma pessoa que gosta de perfumes. Nada além. Aqui eu só junto a fome com a vontade de comer (escrever and cheirar).

E então eu conheci o Verbena & Menta (L´Occitane), que traz limão, grapefruit, verbena, hortelã, hortelã-pimenta, madeira branca e almíscar, e me mostra como o mundo pode ser maravilhoso, com céu azul, nuvens brancas, árvores verdes, rosas vermelhas e amigos se cumprimentando. Pra borrifar ouvindo What a wonderful world na voz de Louis Armstrong.

A verbena aqui vem travestida de capim-limão, passa o tempo todo sorrindo e não é muito afiada. Ela mantém uma certa adstringência, mas não chega a pinicar o nariz em nenhum sentido (quem cresceu com capim-limão no quintal me entende). Quando a gente vê, tá lá sentindo a menta, fresca, fresquíssima e revigorante. E depois o capim-limão perde o capim e ficamos só com o limão brilhante e sorridente. No final de tudo, temos uma caminha amadeirada fantástica. Tudo bem compartilhável, natural, com fixação honesta e sensações mil. Mais que perfeito em dias quentíssimos.

Pra quem curte cítricos aromáticos ou não. E eu, gente, me encaixo no não, e tô caidinha de amores por esse perfume!

Verbena & Menta só tem dois probleminhas: o fato de ser edição limitada e o preço (acho demais pra tanto otimismo).

E aí que agora eu termino este texto usando e abusando do João Ubaldo Ribeiro: "Deus não tem pressa nenhuma, para Ele tudo é ontem, hoje e amanhã, só quem vive dentro do tempo somos nós". É isso aí, Ubaldo! Nunca é tarde pra gostar de perfumes cítricos. E nunca é tarde pra gente parar de me levar a sério. Rá!

PS: Verbena & Menta tem múltipla personalidade na internê, e pode ser encontrado também como Verveine Menthe, Verbena Mint e Mint Verbena. No mais, dizem que ele é o antigo Verbena Sorbet. Como não conheci a encarnação anterior, não posso opinar sobre.