Você dá valor ao spam?


Eu dou. Já consegui tanta coisa legal por meio dele. Juro mesmo. Evidente que não leio um por um. Tenho trocentas contas de e-mail e fica inviável ler tudo o que chega. O fato é que eu bato o olho com carinho naqueles e-mails vindos principalmente das lojinhas onde costumo comprar ou das marcas dos produtos que eu sempre uso. Aquilo que sobra – um montão de porcaria, por sinal, e quase sempre relacionada a Viagra e heranças milionárias de parentes da África (?) – vai pro lixo sem nem sequer ganhar uma passadinha de olhos.


Mas por que eu tô fazendo este post? Bão, porque papeando com o povo, notei que muita gente deleta direto e sem ler qualquer coisa que não tenha vindo de um amigo, ou de um parente, ou do chefe, ou da vizinha, ou de um outro alguém conhecido. Ah, se esse pessoal soubesse de cada coisa preciosa que acaba indo pro lixo: de cupons de descontos fantásticos (já consegui 20% numa dessas) a assinaturas grátis de revistas, passando por avisos de lançamentos de produtos maravilhosos, concessão de frete grátis, anúncio de ofertas, oferecimento de amostras e tal.

O mais engraçado de tudo é ouvir, desse mesmo pessoal, coisas do tipo: “Nossa, como você consegue tudo barato?"; "Como você descobriu esse produto incrível antes de mim?"; "Como você soube disso se o negócio nem começou a ser vendido?”. Elementar, meu caro povo: eu dou valor ao spam! Ok, desprezemos as mensagens bizarras, os vírus, as tentativas de pishing e afins.

PS1: Há que defenda que uma propaganda de algo não é necessariamente spam. Neste caso, o termo corporativo pra isso seria “mala direta”, já que nela existe a opção de se “descadastrar” e tal. E quer saber? Eu não concordo. Pra mim, até newsletter é spam. Sim, eu sou radical, purista mesmo. Pra mim, só não é spam a conversa direta com alguém via e-mail (do tipo um pergunta e o outro responde). Qualquer coisa além disso, mesmo com o meu consentimento, é spam, já que o e-mail em questão não foi enviado UNICAMENTE, EXCLUSIVAMENTE, APENAS, TÃO SOMENTE pra mim.

PS2: Sabe como surgiu o termo “spam”? Não? Então clica! E não deixe de ver a esquete do Monty Phyton (procure no YouTube). Ela é ótima (eles sempre são ótimos, aliás).

Comentários

  1. já eu sou o oposto desses seus conhecidos ... apagos SPAMs vindos de amigos, parentes, etc pq geralmente são piadinhas ou correntes e blá blá blá (claro que antes eu dou uma lida no título e no resumo p/ me certificar que é mesmo lixo eletrônico).

    Já os SPAMs de lojas (no meu mundo, tudo que chega no meu e-mail que não é mensagem pessoal/profissional pra mim é SPAM e não tem conversa!) eu leio TODOS!!! Foi nessa brincadeira que descolei 25% de desc no Morangão hehehe

    E depois me perguntam como eu consegui meu laptop por um preço bacana!!! SPAM, bay! SPAM ;)

    ResponderExcluir
  2. É nóis! rs

    Correntes vão pro lixo sem dó. O mesmo com aquelas apresentações leeeendas no PowerPoint. E confesso que leio as piadas, desde que elas venham no corpo do e-mail.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bora comentar aqui embaixo?
Se joga! Com classe, por favor!

arquivo do blog

Mostrar mais