A volta dos que não foram: Myriad Blanc


by Vanessíssima em , , ,

Comments Off

Ah, esse Boticário... Sempre me tirando o sono. Primeiro me descontinuaram o leave-in Amora e Sândalo, como já chorei aqui. Agora me voltam com o Myriad Blanc (vulgo MB), que eu não conhecia, mas sempre fui doente pra cafungar de tanto ler relatos apaixonadíssimos acerca de.

E aí que eu fui lá. Borrifei o dito cujo na pele porque não sou mulher de fitinhas olfativas (aliás, ninguém deveria ser, já que não é a fita que vai usar o perfume, néam?). Tudo bem que eu sempre acabo catando uma fitinha pra perfumar a borsa, mas isso é outra história.

Só sei que fui descrente, viu? Afinal, tenho um probleminha com as fragrâncias do Boti: uma notinha abafada e chata sempre me aparece pra estragar a festa. É, ela pula da minha pele. Sim, a bendita pula, roda, dá piruetas, uma coisa.

Acontece que, pra minha mais absoluta surpresa, não senti a tal nota! Uhu! Rojões! Já comecei a gostar do MB aí.

Bom, pra quem não sabe, ele é gourmand. Tem notas de peônia, muguet, freesia, lilás, lima, limão, caramelo, leite condensado, pralinè, fava tonka, sândalo e musk. Voltou em edição limitada pro Natal, e eu soube que cada loja recebeu pouquíssimas unidades e não haverá reposição. Custa R$ 89 e vem 100 eméles, o que é um bom custo-benefício, vai!

Mas e na pele, como ele fica afinal? Na minha ele ficou docinho, bem docinho, mas sem incomodar, e fixou razoavelmente bem. É um açúcar confortável e relativamente fresquinho, nada ardido. Acolhedor, delicado e mulherzinha.

A saída começou com um limãozinho gourmand fresco e salivante. Depois senti algo que me remeteu imediatamente a chocolate branco, só que sem ser enjoativo (seria o leite condensado a adoçar e a lima a refrescar?!). Por fim, passei a sentir na pele claramente uma das minhas lotions preferidas, a finada Fresh Vanilla, da Bath & Body Works, que é uma baunilhazinha floral arejada e estupenda. Amei isso tudo. Baunilha fresca feelings.

Só não entendi porque relançaram esse perfume em plena vibe primavera/verão. Tenho pra mim que ele cairia melhor no duo outono/inverno. Em todo caso, o frio não é imperativo pra usar esse perfume. Ele faz bonito em dias quentes também, desde que não haja exageros. No mais, o friozinho sempre chega, né? Sem contar que dias malucos e amenos têm sido a tônica atual, pelo menos por aqui.

Só sei que, no dia seguinte, voltei na loja e catei um MB-delícia pra mim. Rá! E tenho usado o dito cujo enlouquecidamente!

Adendo: Quando cheguei em casa toda faceira com a saculinha do Boti e fui abrir o celofane, pergunta se eu conseguia abrir aquela caixa! Pergunta! A pessoa doida aqui ficou um tempão tentando entender onde raios tava a tampa da caixa do perfume. Só então eu descobri a América: a caixa abre por baixo e toda a parte da frente dela levanta (perdão pelo trocadilho, mas o perfume fica meio que encaixado na caixa). Fica a dica, caso você seja tão (ou mais) insana quanto eu. É, Boti tá chique, benhê! E eu não tô acompanhando! hahaha