Grammy tributado pela Receita

Deu na Folha.com: Grammy paga imposto para brasileiro receber prêmio

Na segunda-feira, o engenheiro de som Enrico De Paoli recebeu uma caixa em casa, no Rio, vinda dos EUA. Era um Grammy –prêmio de mais prestígio na indústria da música– conquistado pelo trabalho no álbum mais recente do cantor Djavan, "Ária" (2010). Ele não pôde ir à cerimônia, em novembro, e a estatueta veio pelo correio.

Na caixa, junto com o troféu, um envelope com um Darf (Documento de Arrecadação de Receitas Federais, guia para cobrança de impostos) no valor de R$ 35,26. O engenheiro não sabia, mas o recebimento de prêmios vindos do exterior é taxado, entendido pela Receita Federal como importação.

A estatueta se enquadra no regime simplificado de tributação para importados, que prevê alíquota de 60% de Imposto de Importação (II) e ICMS, imposto estadual, de 15% no Rio. Pelos R$ 21,15 de II e R$ 10,08 de ICMS, o valor declarado do Grammy foi de pouco menos de R$ 40, fora os impostos, é claro.

Paoli descobriu só no dia seguinte que os tributos já estavam pagos "pelo remetente" –o próprio Grammy.

Continue lendo a notícia aqui.

Falar o quê, néam? Se nem o Grammy escapa, imagina nossos perfumes! E nem vamos comentar sobre os tributos devidamente já pagos pelo próprio remetente.

Comentários

arquivo do blog

Mostrar mais