Cafungada: Angel EDT (Thierry Mugler)


by Vanessíssima em , ,

Comments Off



Sem delongas: eu não gosto do Angel tradicional, o EDP. Acho a coisa toda muito pungente, invasiva, enjoativa e tal. E, olha, eu sou formiga. Ok, admiro o que essa fragrância representa pra perfumaria e tal, mas aquela doçura terrosa do Angel EDP não é pra mim. De modos que a promessa de um Angel menos entrão me animou. Imaginei algo menos melífero, sabe? E lá fui eu cafungar a recém-lançada versão EDT. E, minha gente, tudo o que eu senti foi patchuli, patchuli e patchuli. Overdose de patchuli, meu povo! Foi assim que Angel EDT ficou na minha pele.


No começo a gente até acha interessante e tal, mas meia hora depois aquilo começa a incomodar tanto, mas tanto, que a vontade é correr léguas daquele cheiro. Até meu dente ficou cheirando a patchuli. Terminei com uma enxaqueca do cão.


De fato, ele é menos doção e pesado do que o EDP. Existe doçura, mas ela fica um tanto quanto escondida no meio do patchuli. Pelo menos na minha pele. O curioso é que no EDP eu também sinto patchuli, claro. Mas não taaaanto. Talvez porque ele esteja afogado em tantas notas doces (coco, algodão doce, mel, fava tonka, baunilha, chocolate e caramelo – nossa, engordei só de escrever!). Já o EDT tá de dieta e, de doce mesmo, só traz praliné e baunilha. O EDT também tem bergamota, pimenta rosa, cereja, musk e cedro, além do famigerado patchuli, que toma conta, como eu já disse um milhão de vezes.


O engraçado foi que a saída dele de cara me remeteu à minha coleção de incensos. Loucura, né? Mas parecia que eu estava diante da lata onde eu guardo minhas varetinhas cheirosas. E adoro aquele cheiro. Mas é duro constatar que ele fica melhor no meu escritório, e não em mim.


Tenho incensos de trocentos aromas, dos mais tradicionais (sândalo e patchuli – oi, patchuli!) aos mais exóticos (baunilha e tangerina, por exemplo). A reunião de tudo aquilo é a saída do Angel EDT em mim. E depois o Angel EDT se transforma no meu incenso de patchuli elevado ao cubo. A vantagem da varetinha é que em meia o hora ela se queima e acaba, mas o Angel, minha mãe, aquilo gruda e fica horas e horas, cutucando, revirando dentro da gente, berrando no nariz, perfumando dente, esôfago e pâncreas.


Não sei o que me dá, mas Thierry Mugler definitivamente não é pra mim. Sou fraca demais pra ele (vide também Womanity).