O maior encantamento perfumístico de 2012


by Vanessíssima em , ,

Comments Off



Depois da maior decepção chega a hora do melhor encantamento. E sabe-se lá por que ambos vieram até mim justamente no fim do ano. Uma questão de compensação talvez? Não sei. Só sei que foi assim.


E, senhouras, a minha melhor surpresa perfumística de 2012 foi, sem dúvida, o belíssimo Forever and Ever (Dior). Quem curte florais delicados precisa conhecê-lo! Cheiro de frescor, de colinho amado, de sutilidade, de romantismo, de paz. 

Forever and Ever traz frésia, jasmim indiano, hera, flor de amêndoa, rosa búlgara, gerânio, almíscar, baunilha, noz-moscada e âmbar. 

Minha licença poética atrevida ousa dizer: Forever and Ever é um J´adore rosa. Antes que você encomende minha morte com um matador de aluguel que usa Avanço nas axilas, explico: não que esses dois perfumes sejam parecidos – apesar de pertencerem à mesma família olfativa e à mesma grife, cada qual carrega personalidade própria –, mas há flores, luminosidade, frescor, sofisticação e delicadeza nos dois. 

Porém, já aviso: quem só tem nariz pra perfumões, pra gourmands e/ou pra orientais dificilmente se sentirá atraída pelo Forever. Mas quem (também) é fã de florais, busca conforto, delicadeza, simplicidade e versatilidade pode se encontrar nele. Eu me encontrei. 

Fiquei tão encantada por ele, que usei o dito cujo dias a fio, durante uma semana inteirinha, o que nunca acontece (tenho que admitir que tão difícil quanto ficar sem comprar perfume é usar o mesmo cheiroso por dias seguidos).

Intimista, transparente e com ótima fixação, esse perfume se tornou meu curinga mais amigo e uma das minhas melhores catadas no escuro. 

Na real, sinto na pele uma abertura cintilante que caminha pra um floral delicadamente cremoso com uma tímida doçura ao fundo, sempre sem perder o frescor, o conforto e a elegância discreta. Por essas, vamos lá, Forever seria a irmã mais nova do J´adore. Ficamos assim?

Marido, que liga tanto pra perfumes quanto eu pra desenvolvimento de softwares, elogiou (coisa rara) e sacou essa: “hum, que cheiro de banho tomado!”. E, veja você, ele sentiu um toquinho soapy, mesmo não tendo idéia de que isso existe (“hum, peraí, deixa eu sentir de novo. hum, tem cheiro de sabonete. é gostoso”).

E pra quem liga pra essa coisa toda de fixação (eu não ligo), saiba que Forever tem ótimo poder duradouro (como todo bom Dior).

Olha, você pode até não morrer de amores por ele. Mas duvido que você vai odiá-lo! Du-vi-do!

PS: Existem três versões de Forever and Ever, uma edição limitada de 2002, outra de 2006 e uma terceira (a minha, que ilustra o post), lançada em 2009 e que veio pra ficar, pertencente à coleção Les Créations de Monsieur Dior. Até onde eu sei, só mudam os frascos (a fragrância permanece sempre a mesma). Desejei o dito cujo aqui.