A versão L´Eau do Shalimar Initial


by Vanessíssima em , ,

Comments Off


Pra entender como é o Shalimar Parfum Initial L´Eau (Guerlain), você precisa ler antes este post aqui sobre o Shalimar Parfum Initial (vulgo SPI). Vai lá ler que eu te espero.

Ok, leu? Bão, agora tenho a dizer duas coisas: 1. nesse meio tempo, SPI abandonou o posto de perfume-metade e tudo voltou como dantes no quartel d´Abrantes (tá, isso não vem ao caso, mas eu tinha que falar se não o nariz cai); 2. a versão L´Eau é mais cítrica e leve em comparação com o SPI original, de resto quase nada muda.

A saída do L´Eau vem com neroli, bergamota, grapefruit e laranja. O coração traz íris, jasmim, jacinto, frésia, rosa e lírio-do-vale. A base tem baunilha e tonka.

Botando na ponta do lápis, não tem neroli e grapefruit no SPI. Ele (o SPI original) também não conta com jacinto e lírio, mas temos nele (no SPI original) pitadas de patchouli, almíscar e caramelo. O resto é igual.

De nariz pra nariz, tenho pra mim que Thierry Wasser seguiu o conceito L´Eau ao pé da letra quando criou essa versão. Temos aqui um quê suavizado, mais diluído, mais fresco e, sim, mais comercial. Lá se foram as facetas doce, quente e moderna-vintage (oi?) do SPI original. Ainda temos talco e guerlinade no L´Eau, só que de forma mais tímida.

L´Eau abre bem mais cítrico, segue para um floral comportado (que aqui perde o toque almiscarado e o ardidinho do patchouli presentes no SPI) e termina num leve docinho comedido. O talco aparece do meio pro fim (no SPI, sinto o talco dando oi desde o início).

Por essas e outras, L´Eau é um perfume mais fácil de agradar, tem um apelo mais jovial, é gostosinho e tal, mas o SPI original tem mais pegada, me diz mais coisa, tem um papo mais bacana, me olha nos olhos e tal. 

Sinceramente? O mundo não precisava do Shalimar Parfum Initial L´Eau. E olha que sou Guerlain (com ascendente em Chloé e lua em Dior), hein? Na boa, nem sei se o SPI – que tem apenas dois aninhos de idade – precisava dos três flankers que já lhe cabem, viu?