Cê Ká Um


Falar sobre o CK One (Calvin Klein) quando tudo já foi dito sobre ele é chover no molhado. Como eu sou bestinha and atrevida, lá vou eu!

Cítrico aromático para homens e mulheres, CK One é o símbolo máximo dos anos 90. Considerado um divisor de águas (ou melhor, de fragrâncias), esse perfume definiu por muito tempo o que era ser jovem, sexy and livre.

Lançado em 1994, ele marcou época pelo seu minimalismo, frescor, contemporaneidade e androginia, coisas até então pouco difundidas na perfumaria. Senhorita Kate Moss, do alto de seus 18 aninhos, estampava a campanha que eu tanto via na contracapa da revista Capricho daquele tempo (fui assinante, então imagina o tanto de Kate Moss que eu vi).

E o sucesso de Cê Ká Um foi tamanho, que abriu passagem pra toda uma profusão de flankers (contei 19 no total), de crias calcadas na limpeza (vide Acqua de Giò, de Giorgio Armani, por exemplo) e cópias, oops, inspirações (vide Insensatez, d’O Boticário).

Campeão de vendas até hoje, ele se mantém firme e forte como o presente oficial de Dia dos Namorados (possivelmente por ser “acessível, universal e fácil”, segundo a marca). Opa, na perfumaria aqui da esquina não havia sobrado um frasco sequer pra contar história no dia 12 de junho (fui checar pessoalmente e me disseram que venderam todos os exemplares do estoque em função da data comercial especial, e que isso se repete todos os anos).

Enfim, o atemporal CK One é abacaxi, notas verdes, mandarina, mamão, bergamota, cardamomo, limão, noz-moscada, violeta, raiz de lírio, jasmim, lírio-do-vale, rosa, sândalo, âmbar, musk, cedro e musgo de carvalho.

O que se sente é um chá refrescante com toques cítricos e florais, tudo bem transparente, leve, clean, aquático, sem frescura e com um pezinho no cromossomo Y (em tempos atuais de fragrâncias femininas mais florais e docinhas é o temos sim e ponto final). 

Super dia (e dia-a-dia), eau de verão and urbano, CK One é tão limpo, mas tão limpo, que chega a me irritar às vezes, sabia? É, sou sujinha. #prontofalei Mas, pra quem curte a vibe limpeza, ele faz bonito.

Comentários

  1. 19 flankers?
    Tá certo que o perfume é bom, mas aí já é marketing demais, né não? Eu gosto de cheiro de limpeza, sou pobre mas sou limpinha..rs

    ResponderExcluir
  2. E quer saber? Não tem 'moça' da nossa faixa etária que não tenha uma história pra contar do CKOne! Ele marcou época, tinha contra-tipos em cada esquina! Eu mesma tive um monte deles...
    Foi uma inovação! Pela limpeza, pela androginia, pelo toque gelado de seu frasco.
    Ainda tenho. Não fico sem. Mas ele não fixa 30 minutos em minha pele. Mas vale pela recordação da época rebelde-grunge.
    Adorei sua resenha, Van!

    ResponderExcluir
  3. Sempre leio tuas resenhas sorrindo... :) Mesmo qdo não gosto do perfume! #prontofalei rsrs
    bjs Vanessíssima.

    ResponderExcluir
  4. A cara da minha irmã esse perfume...já dei uns dois frascos de 200ml pra ela, que toma banho. Eu não curto, mas reconheço que marcou época!
    Tamu ficanu véias!

    ResponderExcluir
  5. O Ck One não me conquistou por azar. Eu via também nas páginas da Capricho, mas demorei para experimentar, por aqui não vendia. Aí quando peguei o tal branquinho, o Ck Be estava bem do lado. Não teve para ninguém, e um frasco pretinho sempre me acompanha há uns 14 anos. O Ck Be virou um porto seguro, sei lá. Hoje eu tenho mais perfumes, mas a caixinha preta fica ali e de repente eu saco ela e tomo aquele banho anos 90. Acho que é por isso que eu gosto de perfume; não é só um cheirinho, é uma lembrança. =)

    ResponderExcluir
  6. One e BE eternos no meu armário, socorro nos dias quentes. Meus perfumes de 'ir pro colégio' - época de busão + calça jeans + calor de Recife - foram justamente insensatez e florata in blue, quédizê...

    ResponderExcluir
  7. Lu, também acho 19 um exagero sem tamanho, viu?

    Diana, CK One nasceu clássico, né?

    Village, eu só escrevo o que eu sinto. Do jeito que sai vai. rs

    Bruxinha, velhas e cheirosas! rs

    Lucia, perfume é experiência olfativa e emocional mesmo. O Be eu não conheço, acredita?

    Daninha, alguns perfumes parecem que foram feitos pra este país de meus deus, né?

    ResponderExcluir
  8. Vc precisa conhecer o BE, menina, urgente. A saída é bem florata in blue - até pq né, mas mais picante. Com minutos a coisa toda fica outra. O coração é menos flor e mais lavanda. O fim no lugar do sabonete eterno do boticário ele fica uma madeira tão confortável... Amo mais q o One.

    ResponderExcluir
  9. Gosto muito. Costumo usar no verão, pois é muito refrescante. Só que me parece feminino e não unissex. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  10. daninha, conhecerei o quanto antes!

    Milla´s Place, sua pele deve ressaltar as flores, talvez por isso você o ache mais feminino, né?

    ResponderExcluir
  11. Eu sou viciado nesse perfume e no irmão mais dark, o CK Be. Prefiro o CK Be por ter um algo a mais e por causa da nota almiscarada que ele tem no final... Enfim, é clichê, todo mundo usa, mas eu amo (sim, eu ♥ Calvin Klein rsrs.

    ResponderExcluir
  12. # 11, a gente tem usar o que curte sem medo de ser feliz. Eu juro que não ligo se o perfume é batidão. Se eu gosto, me jogo!

    ResponderExcluir
  13. tem cheiro do colegial, todo mundo usava. o mais esquisito era que a moda era parecer que você dormia embaixo da ponte há meses -- e usando um perfume limpinho! nunca tive, quero filar um de alguém para ver como vai. gosto de farejar ele por aí, sempre me pega.

    ResponderExcluir
  14. Kkkkkk... Também faço a vibe sujinha.

    ResponderExcluir
  15. Dênis, cara, verdade, todo mundo "sujinho" usando perfume limpinho nos anos 90. Freud explica. rs

    Maná, é nóis! rs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bora comentar aqui embaixo?
Se joga! Com classe, por favor!

arquivo do blog