La Vie não é sempre bela


by Vanessíssima em ,

Comments Off

Calma, você não tá diante de um momento deprê. Bão, talvez esteja. Fui lá cafungar o La Vie Est Belle (Lancôme) e, ai, ai, gostei não. Como fazer a resenha dele então? Não sei. Vou tentar. Vejamos o que sai. E não me mate, ok? Só porque eu não curti o binito não quer dizer que ele é ruim. Repita comigo: não existe perfume ruim. Grata.

Meu nariz entende que La Vie Est Belle é apenas mais um floral frutal gourmand pra meninas crescidas. Parecido com tantos outros que existem por aí, na vibe da moda e tal.

E verdade seja dita: ele tem feito bastante sucesso. É, esse perfume pegou em cheio narizes ávidos por frutais docinhos avec elegance. 

Tenho cá muita complicância com frutas silvestres docinhas with patchouli. Juro que tentei curtir essa brisa, mas não rolou. Sendo La Vie Est Belle um exemplar da estirpe em questãn, vem daí meu desgostosamento com ele.

A Vida É Bela abre com groselha preta e pêra. Segue com íris, jasmim e flor de laranjeira. E termina com patchouli, fava tonka, baunilha e pralinê. E tem uma baita fixação, viu? Baita meeeesmo! Passei em minha pessoa por volta das 13h e ainda podia senti-lo às 22h, quando me joguei debaixo do chuveiro.

Cá entre nós, La Vie Est Belle conversa comigo de um jeito meio over, preenchendo todo o espaço sideral. Doce, doce e doce, porém adulto. 

Minha pele ressaltou di cum força a groselha azedinha matadora, o trio dulcíssimo tonka-baunilha-pralinê e o patchouli ardidinho chiquetoso. Senti também uma nota de violeta do além (já que a flor não aparece na composição), que me incomodou muito (não preciso ficar repetindo sempre que não gosto de violeta, néam?). 

Senti falta da pêra suculenta, da íris talquinho, do jasmim cremoso, da flor de laranjeira delicada e da promessa da Lancôme de me vender felicidade líquida. Pois é, nada disso bateu ponto em mim.

Enfim, La Vie Est Belle ficou praticamente linear na minha pele. Digo “praticamente” porque na saída ele me remeteu ao Flowerbomb (Viktor & Rolf) e, na seqüência, ao Miss Dior Chérie (Dior) antigo. A assinatura da Lancôme tá lá também, claro (é uma notinha que não consigo decifrar, mas que me aparece em todos os perfumes da casa e que, veja só, me incomoda - sou chata, me deixa! rá!). 

É, não será dessa vez que terei um Lancôme em casa, viu? 

Ok, ok, eu paro. Questãn de pele, meu povo. Questãn de pele.