Archive for Setembro 2013

Hoje é dia de rock, bebê!


by Vanessíssima em ,

Comments Off


Hoje é dia de Rock´n Rose, bebê! E lá vamos nós versar sobre esse Valentino! Floral, o bonito nos alegra com cassis, bergamota e notinhas verdolengas na saída, flor de laranjeira, gardênia, lírio-do-vale e rosa no coração, e sândalo, almíscar, baunilha, raiz de orris e heliotrópio na base.

Cassis e rosa dominam. Na minha pele é assim. Sinto rosa comestível. Pode isso, Arnaldo? Na minha cabeça é assim. Culpa da baunilha, que pula tão alto quanto a rosa na cama elástica que tenho dentro do meu cérebro. 

Perfume-menininha, cor-de-rosa dos pés à cabeça, delicado, mas com uma certa rebeldia típica da juventude, entende? Princesinha do rock talvez? Rock de butique? Rock cor-de-rosa atende melhor. Uma coisa assim meio Hayley Williams, saca?

Só sei que ele é gostosinho e tô nem aí pra rótulos (apesar de ter rock nas veias, porém não aquele feito pelo Paramore, tá? meu negócio é um rock bem mais sujinho, mas isso não vem ao caso).

Entusiasmado but inofensivo (tal qual a Hayley. rá! não me julguem, please), Rock´n Rose segura a onda no dia-a-dia faça sol ou faça chuva, faça calor ou faça frio. Bolota rosa versátil, viu? 

Nada super indispensável na vida não. É que eu tenho uma ligação sentimental com ele. Foi meu primeiro perfume comprado no Morangão - há uns bons anos (e bota bons anos nisso).

Vamos pegar um Cinéma?


by Vanessíssima em ,

Comments Off

Bora pegar um Cinéma (Yves Saint Laurent)? Pega, borrifa e dá aquela cafungada marota. Aposto que não vai bater arrependimento. Coisa digna de Oscar, viu?

Até hoje não entendo como demorei tanto tempo pra conhecer essa belezura. Talvez sejam os deuses trabalhando de forma que o atraso seja justificável no sentido de “olha, você ainda é muito ingênua pra conhecer essa obra-prima. vamos deixar o molho engrossar um pouco, colega?”.

Reparou que os deuses chamaram o Cinéma de obra-prima? Pois é o que ele é! Perfume sublime, do tipo que não se cria mais hoje (por quê? por que pararam de fazer coisas assim? hein?). 

Botando os acentos nos ês, temos em Cinéma – um floral oriental lançado em 2004 – clementina (cruzamento da laranja com a tangerina), ciclâmen e flor de amêndoa na saída; peônia, amarílis e jasmim no coração; e âmbar, benjoim, almíscar branco e baunilha na base.

Ajuda se eu te contar que esse perfume traz umas das melhores baunilhas que eu já senti na vida? Baunilha phyna, elegante e sincera. Brisa reconfortante-porém-marcante sem ofender ninguém.

Cremoso e chiquérrimo, na minha pele ele gruda e não sai mais. Tá, ele sai. Mas demora. Muitão. Ao contrário do que acontece na minha mente, de onde ele não sai nem com reza brava.

O bonito começa floral, quentinho e provocativo (a fruta é beeeem sutil, viu?). Depois transmuta. Vira uma baunilha indescritível, sutilmente temperada, adulta, sofisticada, com toque de amêndoa. Ou seria uma amêndoa com toque de baunilha? Não sei, depende do humor do dia.

Só sei que Cinéma sabe usar decote sem cair na vulgaridade, entende? Ele deve ter aprendido a se vestir com a Angelia Jolie, néam?

Basicamente o supra-sumo da sofisticação. Classudo até dizer chega. Porém, pessoas sem classe (como eu) também cabem nesse doirado. Rá! Absurdo esse São Lorrão!

E aí, vamos pegar um Cinéma

250 emiéles de puro prazer


by Vanessíssima em ,

Comments Off

Falar sobre o Eau des Missions (Le Couvent des Minimes) é divagar sobre 250 mililitros de uma baunilha deliciosa que parece mais cara do que ela realmente custa (a saber: 69 realidades). E aqui estamos nos referindo a uma baunilha mansa, delicada, nada periguete. Baunilha bela mesmo, entende? De modo que temos por ora 250 emiéles de puro prazer.

Fazendo jus à vibe “sou uma colônia docinha na medida da elegância”, Eau des Missions é benjoim, camélia chinesa, cedro da Virgínia, centella asiática, mirra e baunilha.

Não vou te enganar: Eau des Missions não é só baunilha; dá pra sentir um pouquinho do benjoim na saída. Mas depois fica só baunilha sim (pelo menos na minha pele). Baunilha com cheirinho de colo de vó que não sai da cozinha, que vive preparando docinhos para os netinhos. Baunilha low profile, rente à pele, discreta e confortável, do tipo que merece ser usada em todas as estações do ano. E que fixação! Mais de dez horas fácil, viu?

Taí a baunilha com o melhor custo-benefício do mundo! Aliás, digo e repito, ela entrega bem mais do que pagamos por ela. Sem exagero, isso aí virou umas das baunilhinhas tops daqui de casa. Paixão define.

Pra quem não sabe, a marca Le Couvent des Minimes pertence ao grupo L´Occitane. Aliás, alguns produtos da linha chegaram a ser vendidos nas lojas da L´Occitane um tempão. 

No mais, até a última quarta-feira (quando escrevi este texto) o dito cujo só era comercializado oficialmente no Pão de Açúcar (perfume de supermercado sim, e daí?), mas eis que a Le Couvent des Minimes botou no ar uma lojinha virtual e bazinga (e lá fui eu revisar este post e atualizar as coisas). No site oficial, o perfuminho custa um pouco mais e tá disponível em vários tamanhos (neste post, mantenho o foco no frasco de 250 ml porque era o que se encontrava originalmente e creio ser o mais fácil de achar). Com sorte, você descola um frasco de 250 por meia nove na Beleza na Web (de onde veio o meu), mas tem que ficar de olho lá, porque a boniteza vende feito água e vive esgotada (como agora). Só não sei se o Pão de Açúcar ainda comercializa o produto ou se o preço se mantém (antes de se mandar do grupo, Abílio fechou o pão açucarado que tinha aqui na roça, então tô por fora do que vendem ou deixam de vender). 

E daí que maridón chama meu Eau des Missions de garrafa de pinga? E daí? Ligo não. Dessa pinga eu bebo até cair! "Eu bebo da pinga porque gosto dela. Eu bebo da branca, bebo da amarela. Bebo nos copo, bebo na tigela. E bebo temperada com cravo e canela. Seja quarqué tempo, vai pinga na guela." (Inezita, te dedico!)

O sorriso do figo


by Vanessíssima em ,

Comments Off

I see smiling figos, Bruce. Sim, um figo me sorriu (e a vaca tossiu). Quem tá chegando agora não sabe da minha ojeriza pelo figo, néam? Pois éam, coisa antiga isso. E eis que tudo mudou. Encontrei o meu figo, povo! Figo lindo ao cubo, todo pimpão. Eu sou mestra nisso, de desgostar e gostar, gostar e desgostar. 

Enfim, tá todo mundo aí querendo saber o nome do santo e eu aqui, enrolando. Atenção, rufem os tambores! Meu figo-sorriso atende pelo très très chic nome de Un Jardin en Méditerranée (Hermès).

Tenho uma ligação familiar (literalmente) com o Mar Mediterrâneo que beija a Itália, por isso meu zóio brilhou quando cafunguei esse Jardin da Hermès. O figo sorriu, gente! Bão, se eu fosse um figo e morasse na região do Mediterrâneo eu juro que viveria sorrindo. Como não? De modo que o perfume da vez me é bárbaro!

Classificado como floral aquático, ele vem com mandarina, bergamota e limão na saída, flor de laranjeira e oleandro no coração, cipreste, folha de figo, almíscar, cedro vermelho, zimbro e pistache na base.

Tudo na minha pele baila do seguinte modo: no primeiro passo temos uma saída delicadamente cítrica, uma cousa assim pomar do Mediterrâneo. No segundo passinho, levito no coração levemente floral. Dois pra lá e dois pra cá e temos uma figueira maravilinda com um fundinho amadeirado dos deuses sicilianos (ok, não tem deus siciliano nenhum, mas me deixa homenagear a minha famiglia, pô!).

A brisa é fresquinha, como aquela que sentimos logo cedinho, quando o sol mal deu as caras e o mundo todo ainda tá acordando. O cheiro é profundo, envolvente, porém de uma suavidade/paz avassaladora e paradoxal. 

Eu quase me vejo na beira do mar de Agrigento ao amanhecer (mãe, te dedico). É um perfume que me conforta, sabe? Ele me faz voltar pra um lugar de onde nunca nem sequer saí, mas que eu sei que tá lá me esperando, de braços abertos e com uma tacinha de vinho na mão.

Moço, me vê um galão desse perfume aí, per favore!

PS: Fim das férias. Tô de volta!