Archive for Março 2014

360º experience


by Vanessíssima em , ,

Comments Off

360º For Women (Perry Ellis) é um perfume perigoso. Bandidão mesmo, viu? Cobra criada no mundo do crime. Rouba o sossego de quem exagera nas borrifadas. Assassina narizes acostumados à mansidão. Convenhamos: ele é um perfume difícil, maniqueísta, sem reticências. Do tipo ame ou odeie. Eu curto. Muita gente não (muuuuita mesmo, ok?).

Criado pela super Sophia Grojsman (o nariz por traz do Eternity, da Calvin Klein; do Trésor, da Lancôme; e do Paris, da casa Yves Saint Laurent) e lançado em 1992, ele traz na saída lírio, melão, osmanthus, rosa e tangerina. No coração temos lavanda, vitória-régia, sálvia e lírio-do-vale. Já nas notas de fundo surgem sândalo, âmbar, almíscar, baunilha e vetiver.

Resumindo o 360º: floralzão solar nada inofensivo com cheiro de sabonete. Bastante lírio, bastante melão e almíscar, e uma boa dose de lavanda. Cheiro de banho de sábado, de limpeza pesada, de sabonetão colorido que faz um montão de espuma e perfuma o banheiro todo, sabe como?

Ele começa relativamente fresco e quase aquático por causa o melão. Tem um pouco de rosa cítrica aqui e ali também. Mas, depois, ele dá aquela encorpada e vira um floralzão de braço de polenteira (e viva o lírio!). Pétalas frescas, vivinhas da silva e iluminadas pelo sol chegam chegando. E tudo isso fica lá rodando 360 graus em moto-contínuo. Sim, porque ele gruda na pele. Fixa que é uma beleza!

O mais incrível é que, apesar dos pesares (e dos prazeres), Trezentos e Sessenta é um perfume versátil, cabendo no uso diurno barra noturno e também no inverno barra verão. Basta apertar a válvula com carinho. [dica marota: substitua "carinho" por "moderação" caso você tenha acordado hoje com inclinação pra poesia]

Enfim, taí um bom perfume esporádico! Sim, porque ninguém agüenta manter uma relação monogâmica com o amarelinho aí, ainda que bonitão, por muito tempo. Quando se quer sossego, é bom seguir o caminho oposto. Nosso rei do crime pede uma puladinha de cerca de vez em quando. Mas de comum acordo, viu? Casamento aberto define. Na cabeça dele, a poligamia fortalece a relação. E é bom respeitar o que ele pensa, ainda que a gente não concorde, ok? Conselho de amigue. Rá!

O lindão Linda Brasil


by Vanessíssima em , ,

Comments Off

Entrei no Boticário pra conhecer Linda Brasil, (re)lançamento and edição limitada pra variar com certeza. Saí de lá cheirosa, com mais fé na humanidade e disposta a voltar e catar um frasco disso pra mim.

Originalmente, esse perfume foi lançado em 2004 e descontinuado pouco depois (Boticário, você não aprende, né?). No climão da Copa do Mundo [bocejo], Boti achou uma boa idéia relançar o bichinho agora e mantê-lo no portfólio até o mundial. Você também não fica com sono ao se deparar com toda uma cadeia produtiva pegando carona nisso? Eu fico. Me deixa!

Pois bem, o que vale é que essa delicinha voltou pra pista. Opa, yes, delicinha! Não sei como o Linda Brasil era antes (não cheguei a conhecer). Só sei que a versão atual me é bem boa.

Criado pelo perfumista Cláudio de Deus, da casa Givaudan, ele vem com bergamota, yuzu, lima e mandarina na saída, orquídea, folhas de violeta, cedro, harrisia da noite, jacarandá puberola e brise d'iguaçu no coração, e musk balsâmico, âmbar, musk, patchouli, heliotropina e copaíba do Brasil na base.

Mas hein?! Harrisia da noite? Jacarandá puberola? Brise d'iguaçu? Copaíba do Brasil? Prazer, Vanessíssima!

É, ainda que eu desconheça o cheiro de algumas notas, posso dizer com toda a convicção do mundo que esse perfume, cujo frasco é todo trabalhado na brasilidade, é bem fresquinho, gostoso e compartilhável. Uau, agora eu disse tudo, hein? Rá!

Classificado pelo Boti como floral bouquet, pra mim ele é um floral verde com leve toque cítrico e com uma boa vibe amadeirada. E com ótima fixação!

A abertura me é pura folha macerada de fruta cítrica. Mas sem amargor. Coisa fresquinha mesmo, sem azedume-espeta-língua. Pouco depois, o verde bandeira se acalma e fica mais desbotadinho. E então as frutas perdem a timidez e as madeiras entram na festa abraçando todo mundo num amor livre lindão debaixo de chuva. Junto com um cheiro de flor não identificável por minha pessoa, isso é tudo o que eu sinto nesse perfume, até o fim. 

Em alguns momentos, Linda Brasil me remeteu ao meu amado Un Jardin en Méditerranée (Hermès). A pegada é parecida, só que mais diluída. Ainda assim, Linda Brasil tem força, tem presença. Não é só mais um fresquinho na multidão.

Outra coisa que me surpreendeu nele foi a ausência daquela notinha Boti de ser, sabe qual? Nem parece perfume da casa. E isso é um belo "ufa" pra mim. Rá!

Outra surpresinha, só que dessa vez nada agradável, é o preço: 99 dilmavanas. Tudo bem que são 100 emiéles, mas por essa eu não esperava. O Brasil virou um país de gente rica e não me avisaram? Ah, mas dá pra dividir esse valor em três vezes, me disse a prestativa vendedora. Opa, agora sim! Agora a gente pode fazer de conta que só importa o valor da prestação, e não do produto final, néam?

Mimimis à parte, Linda Brasil me conquistou enquanto fragrância. É tão bom ver o Boticário acertando. Isso me faz ter fé na humanidade de novo, viu?

Eau de Trident


by Vanessíssima em , ,

Comments Off


Junta aí limão siciliano, trevo-branco, chá verde, hortelã, ciclâmen, lírio-do-vale e pêra e o que você tem? Você tem Aqua Allegoria Herba Fresca (Guerlain), bebê! Parecença pouca com Trident de menta é bobagem! É parecença muita mesmo! Semelhança, não igualdade, ok? Que isso fique bem claro.

Saca hortelã gustativa? Pois é, juro que fico toda salivativa quando uso Herba Fresca. Ok, eu devo ter problema. Deve ser porque eu não gosto de chiclete, então desconto a saliva no perfume. Me deixa!

Maridón, por sua vez, sentiu cheiro de limonada, mas, minutos depois, acabou convencido de que a coisa toda tava mais pra Trident mesmo. Sim, o limão tá lá, mas ele aparece tão rapidinho que nem dá tempo de botar o papo em dia. A conversa rola solta com a hortelã mesmo. E que conversa! Bom de papo esse perfuminho, viu? Do tipo pra perder horas e horas - sem ver tempo passar - na mesinha do bar com um choppinho a tiracolo.

E depois de algumas tulipas de chopp vazias, eis que o fundinho floral amigo dá aquela passadinha básica de carro lá na frente, vê a gente (eu mais a hortelã) bebericando and sorrindo com os olhos, e entra na roda. Garçom, uma porção de flores, por favor!

E é tudo tão fresquíssimo, gente! Pra dias de Fahrenheit nas alturas mais altas, viu? Não tem coisa melhor. Aliás, pra melhorar, só um choppinho gelado. Mas chega de falar de chopp aqui. A conta vai ficar cara.

Resumindo: Herba Fresca é vida! Pena que a boniteza some rapidinho da pele. Enfim, que seja eterno enquanto dure, né? Sou dessas.

Água das maravilhas


by Vanessíssima em ,

Comments Off

Eau des Merveilles (Hermès) não topa com resenha cheia de paranauês. O negócio tem que ser simples. Tal qual o cheiro que sai dali. 

Aroma de laranja em tom pastel com uma pitada de sal. Singelo mas não menos refinado. Orgânico e chique. Pra borrifar ouvindo Get Lucky, do Daft Punk. Coisa nova, porém familiar, mas num nível acima, saca?

E temos laranja, limão e resina na saída; âmbar, pimenta rosa, violeta e pimenta no coração; abeto, musgo de carvalho, cedro e vetiver na base.

Abre alaranjado e morno com direito a uma colherinha das de café de sal (sim, freak, todavia bão demais). No compasso seguinte, surgem o âmbar e a pimenta. E depois chega o aceno amadeirado.

Perfume intimista e andrógeno, que te hipnotiza sampleando a guitarrinha marota do Nile Rodgers (mas óh, o Nile tocou de verdade na Get Lucky, viu?). Aaaahh freak out! Le freak, c'est Chic!

Se morri de amores por ele? Não, não morri. Por motivos de: tenho problema com laranja. Mas reconheço a bem-feitura da coisa.

We're up all night to get lucky.

O ano do jasmim


by Vanessíssima em , ,

Comments Off

Cêis tão sabendo que 2014 é o ano do jasmim? Pois é, tem dessas. Li por aí que este é o ano do libidinoso (sim, pra mim ele é pura bandidagem delícia). Babaquices ou nãos à parte, achei uma boa aproveitar o ensejo pra trazer meus cinco jasmins preferidos.

1. Nu (YSL)
Jasmim safado de bom. Libertinage avec elegance.

2. Pure Poison (Dior)
Jasmim branquinho, domesticado e agora mais usável.

3. J´adore (Dior)
Jasmim limpo e luminoso.

4. Alien (Thierry Mugler)
Jasmim de outro planeta. Alienígenas do Passado, oi! Resenha em breve.

5. Beauty (Calvin Klein)
Jasmim cremoso e sorridente.

Agora conta aí, curte um jasmim? Bota na roda!