O Sheer da questão


by Vanessíssima em , ,

Comments Off

De volta aos trabalhos vos digo: Brit Sheer (Burberry) só não foi a melhor compra de 2014 porque paguei caro. Aliás, eita perfume pra nunca entrar em promoção, viu? Tudo bem que o zóio maior que o estômago me fez levar pra casa o frascão de 100 ml, mas, putz, sei lá, podia custar menos diante do que ele se propõe, né?

A idéia aqui é frescor, gente! Bastante frescor. Saca só as notas: lichia doce, yuzu, folhas de abacaxi e tangerina na saída; peônia rosa, flor de pêssego e nashi no coração; almíscar branco e madeira clara na base.

Pra quem não sabe, yuzu é uma frutinha cítrica asiática que parece toranja (ou grapefruit, se você for chique), e nashi é um tipo de pêra lá daquelas bandas também. Captou o frescor?

Brit Sheer é absurdamente refrescante sem ser cítrico (ele é frutal floral). A misturinha das flores delicadas com as frutas de gosto de água dá um resultado transparente encantador. Existe uma doçura bem discreta, que fica lá no degrau de baixo. O almíscar e a madeira formam uma caminha macia arrumada com lençol branquinho.

É tudo tão equilibrado e suave sem ser cítrico ou aquático, que dá vontade de pegar no colo. Com ele não tem erro. 

Achei um perfuminho perfeito pro verão e pra outros dias tais de temperaturas elevadas, coisa mega comum aqui na roça. Isso quer dizer que ele tá no meu ranking dos mais borrifados.

Sabe o tipo de perfume que não é nenhuma obra-prima, mas que você usa muito, muito meeeeesmo, sem enjoar? Eis o Brit Sheer! Taí porque ele tinha tudo pra ser a melhor aquisição de 2014. Ou melhor, quase tudo. Bora baixar esse preço aí, pô!

PS: Não, ele não é a versão light do Brit (falado rapidamente aqui). Não se engane. São perfumes coooooooompletamente diferentes.