Classiqueando


by Vanessíssima em , ,

Comments Off

Como assim ainda não falei sobre a mais emblemática silhueta da perfumaria, minha gente? Falha minha, povo! Bora prosear sobre o Classique (Jean Paul Gaultier)? O alvo aqui é a versão EDT, ok? Não conheço a EDP, e ouvi dizer que é distinta.

Arrebatador de corações desde 1993, Classique vem com tangerina, anis, pêra e rosa na saída, íris, gengibre, ameixa, flor de laranjeira, orquídea e ylang ylang no coração, e âmbar, almíscar e baunilha na base.

Cá entre nós, esse perfuminho (que é ão) é um floral adocicado, alegre e super feminino. Ele exala poder, sedução and glória graças ao toque picante do anis e do assanhamento do gengibre, aliados às notas florais e frutadas. Tô aqui diante de um surreal buquê floral temperado e enfeitado com frutinhas, saca?

Minha pessoa nota claramente cada fase da fragrância. A saída fresca se transforma, fica picante e evolui até chegar no abaunilhado, sempre com um toque floral ao fundo. É como se o Classique começasse provocativo, todo séguici, e terminasse apelando pra um certo romantismo (tô numas de achar que ele parece nos dizer que, no fundo, é romance o que todos nós queremos, néam?).

Um tanto quanto sintético e retrô propositadamente, Classique é marcante e combina com gente festiva, bem-humorada e ousada, justamente por não passar despercebido. Sabe o que cabe nele? Persona exuberante que se joga na night sem medo. Pena que eu não sou tão bacana assim. Rá!

A embalagem é um show à parte. Adoro a mocinha sem cabeça sensualizano no espartilho. Aliás, vontade de colecionar todas as edições especiais do Classique só pelo frasco, viu? Opa, e elas são muitas! Jean Paul Gaultier adora capitalizar (ah, vá, jura?!). No mais, tenho pra mim que coerência é o sobrenome do cara. Incrível como todos os perfumes que ele joga no mercado têm a ver com ele na forma e/ou no conteúdo (vide Ma Dame). Sim, JPG me é excentricidade provocativa e feliz, quase kitsch, mas com um pé na elegância.