Top 5: Perfumes para uma realidade distópica


by Vanessíssima em , , ,

Comments Off

O que Laranja Mecânica, Wall-e, Clube da Luta, Matrix e Blade Runner têm em comum? Além de terem passado no cinema (ah vá, jura?!), todos eles se desenrolam numa realidade distópica. Mais hein?! Ok, se você não sacou o que eu tô falando, vou resumir grosseiramente a coisa: se a utopia é uma realidade boa demais pra ser verdade, a distopia fica sendo um mundo mau demais pra ser praticável. Seja num futuro mais ou menos longe ou num mundo paralelo, a distopia costuma se apresentar como um lugar (lê-se: tempo e espaço) ficcional ruim and infeliz. Né? Agora pega aqui na minha mão e vem comigo na minha loucura! Achei de bom tom elencar 5 fragrâncias ótimas pra se usar numa realidade dessas. Mas, olha só, apesar da distopia ser um mundo ruim, os perfumes que vos trago são ótimos e, tenho cá comigo, combinam lindamente com o tal caos.


1. Nu (YSL)
Uma fragrância com cheiro de pele se encaixa direitinho num mundo distópico, né não? Nada como um perfume-não-perfume cheirosíssimo pra se usar numa realidade ficcional. Ele pode causar certo estranhamento e incomodar narizes incautos, mas quem se deixa levar ganha de presente um ineditismo fantástico difícil de ser superado (tudo tal que se viu em Laranja Mecânica 44 anos atrás. yes, 44 anos!!!). Nu é tão perfeito que é um dos meus perfumes preferidos meeeesmo. Falei dele aqui.





2. Présence d´une femme (Montblanc)

É tão atípico e poético um perfume feminino trazer um acento masculino super identificável, né? Vejo um lindo caos nisso no sentido de subverter o estereótipo (tão comum, infelizmente) de "sexo frágil", saca? Présence me lembra que mulher tem tanta força quanto beleza. Présence, de fato, seria uma utopia, mas não hoje. Hoje ele toca o terror e deixa o mundo confuso (ou satisfeito) por fugir do lugar-comum. Amo! Foi falado rapidamente aqui.







3. Mugler Cologne (Thierry Mugler)

Realidade distópica com pegada cyberpunk é o que eu vejo nele (beijos, Matrix!). Mugler Cologne tem cheiro e cor de máquina que alimenta homens e mulheres. Absurdamente compartilhável, ele tem um confortável aroma de limão futurista. Resenha em breve.






4. Jicky (Guerlain)

E não é que a distopia combina demais com o passado? Que tal pegar algo antigo e jogar no moderno? Taí a estética steampunk que não me deixa mentir! Como este texto e a loucura são meus, me deixa que eu quero criar um futuro distópico com pegada steampunk! E é nele que o Jicky cabe, ora pois! Jicky é velho e novo. Parece que tem coisa fora do espaço/tempo nele, mas que cai tão bem ali ainda hoje, né? Dito aqui.





5. Dior Homme (Dior)

E pra fechar pelo começo, me deixa citar Laranja Mecânica de novo porque Stanley Kubrick é vida! Quem não se lembra daquele olho maquiado do Alex (Malcolm McDowell)? Pois bem, não é tão fácil fazer os homens usarem maquiagem, né? Mas Dior Homme consegue! E o Kubrick também. Preciso dizer mais? Falei desse perfume aqui.




PS: Sinto decepcionar, mas eu não sou nerd.