1948 é logo ali


by Vanessíssima em ,

Comments Off


O cravo brigou com a rosa no laboratório do perfumista Francis Fabron por volta das 18h da última sexta-feira, 4 de junho de 1948. De acordo com testemunhas, houve intensa discussão e cada flor seguiu para um lado. Em seguida, o cravo se dirigiu à mesa de Fabron e se enfiou dentro de um frasco adornado por uma tampa que trazia duas pombas. Segundo os investigadores, o cravo, bastante alterado, não parava de repetir: "daqui eu não saio, daqui ninguém me tira". Pouco depois, a rosa foi vista entrando no frasco também. O caso foi registrado no 1º DP da história da perfumaria. Taí, L'Air du Temps (Nina Ricci) é basicamente isso. 

Criado há 68 anos, ele envelheceu bem, viu? Tipo a Bruna Lombardi (alguém diz que ela tem 64 anos, gente?). Todinho retrô (a ponto de muita gente o identificar com "cheiro de vó"), ele segue perfeitamente usável por quem admira um clássico ou teve um jardim de cravos na infância e não esquece aquele mágico cheirinho floral-terroso-cremoso-picante-úmido. Eu me encaixo nos dois casos.

Quem viu O Silêncio dos Inocentes com a atenção e o carinho que esse filme merece vai se lembrar do momento em que Hannibal Lecter (Anthony Hopkins) encontra Clarice (Jodie Foster) pela primeira vez e saca que ela usava L'Air du Temps. Detalhe: Clarice não estava usando perfume naquele dia. E Lecter, claro, sabia disso. "You use Evian skin cream, and sometimes you wear L'Air du Temps, but not today", foram as palavras dele. E, olha, nem precisa ter o olfato tão apurado quanto o dele, viu? Mesmo depois de tomar banho e, pasmem, na manhã seguinte, eu (que não sou ninguém na fila do Oscar) ainda posso sentir o L'Air du Temps na minha pele.

Total pós-guerra (a Segunda Guerra Mundial tinha acabado três anos antes da criação do dito cujo), ele vem com cravo (né?) e gardênia na saída, rosa (olha ela aí!) e jasmim no coração, e sândalo e íris na base.

Novamente, eu vou bater na tecla: L'Air du Temps tem cravo (a flor). E depois não diga que eu não avisei! Cravo é uma flor difícil pra muitos narizes. Sim, porque esse perfume é basicamente cravo. E sabonete. Lembra que eu falei que ele é antigão, né? Mas ele não é pesado. Ao contrário, é leve, mas marca presença, e faz bonito durante o dia. E fica mais lindo quando a temperatura tá amena. Acho refinadíssimo, como poucos conseguem ser (ainda mais hoje em dia).

PS: 4 de junho de 1948 caiu mesmo numa sexta-feira. Mas eu só fui descobrir isso depois que o texto tava pronto. Chutei. E fiz gol. Rá!